sábado, 29 de janeiro de 2011

JUNHO

( Por A wild blumen)

Seu amor
cresceu como lombriga
Parasita,
prejuizo, canseira
Sugou meu
sangue
Esvaziou minha
carteira
Nada a
declarar, não quero briga
Com sua
nova alma gêmea
Que não sei
onde acaba a teta
E onde
começa a barriga
Ciratura
horrenda
Como tua
alma
Sempre a
venda.

6 comentários:

  1. Não acredito! Você é o cara mais corajoso que conheço. Depois desta ousadia, nunca mais vou chorar por meu ''amigo$'' terem jogado meu poemas doces e fofos da ''fase azul'' no lixo.

    ResponderExcluir
  2. Se você precisar de ajuda, dou um sumiço no pilantra pra vc! EHEHEHE...

    ResponderExcluir
  3. AH, quanta gentileza! ''Deixe viver'', como dizem nas músicas. A vida é o maior castigo, porque a vez dele chegará, ''cedo ou tarde''.

    ResponderExcluir
  4. Ninguem segura a mulherada quando se trata de "poetar"

    ResponderExcluir